segunda-feira, 27 de maio de 2013

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Srs. da Barral, tirem os cremes velhinhos do mercado, está bem?


O meu Barral Creme Gordo com Óleo de Amêndoas também tem uma história.
Inconformada com o fim do boião do creme gordo (queria que o produto se repusesse sozinho, na calada da noite!), não tive outra opção: comprar outro. Acontece que o segundo boião apresentava características diferentes do primeiro, que tinha como comparação: o creme estava amarelado (e não branco), com grumos semelhantes a um exfoliante (e não cremoso). Mudaram a fórmula!, pensei. Mas depois, duvidei. 

Decidi expor as dúvidas relativas à qualidade do produto junto da marca, no Facebook, tendo a mesma confirmado que aquelas não eram as características normais do creme. Remeteram a comunicação para o email, assim fiz. Mas, entretanto, dada a demora na resposta, optei por ir fazer a reclamação e respectiva  troca no ponto de venda. Afinal estava a aplicar o creme há duas semanas. E em que condições? E com que consequências?

A farmácia onde o comprei admitiu que havia mais reclamações do género, prontificou-se a fazer a troca mas, quando, ao terceiro boião verificado manifestei dúvidas quanto à cor do creme (provavelmente ja estava sugestionada com outro, certo?), apressaram-me: "Não lhe posso dar a experimentar todos os cremes da loja!". Entendi a mensagem, a antipatia e fiquei pouco descansada, porquanto deixaram escapar que o produto que levava era do mesmo lote daquele que acabava de devolver!
Além de tudo, vim de lá sem as respostas essenciais: em que estado foi vendido o produto e que consequências poderá ter na pele, ou mesmo no bebé? Eu, às vezes, quero saber coisas que não lembram a ninguém!!! 

Apesar da Angelini, que produz o creme, não ter dado seguimento à reclamação, comuniquei-lhes a minha decisão e acção consequente. Entretanto, novamente no Facebook, pediram-me a morada.

Passados dois meses...Fui contactada pela marca.
Justificações dadas, desculpas pedidas e aceites, continuei sem saber o que é que, afinal, aconteceu com o dito lote de cremes, porque é que continuou à venda, porque é que não avisaram os clientes, que consequências podem advir da sua aplicação. Há coisas que o departamento de marketing não está preparado para responder. Mas devia.

Triiimmm! O carteiro chegou hoje com uma encomenda da Angelini.




Cara renovada! E para melhor, sem dúvida! Ainda não experimentei como deve ser, mas a textura é cremosa e a cor... branca. Está mesmo apetitoso.

... Cada vez mais me convenço que este que estou mesmo a acabar - o tal, que foi trocado -  também tem o seu quê de estragado... Lá estou eu, que coisa. :) Daqui a bocado estou a perguntar se me fez mal à pele...

a máquina de fazer espanhóis

sempre que acabo um livro daqueles que mexem cá por dentro, faço o meu luto.
e é mais ou menos assim. o físico, porque o mental, demora um bocadinho mais a passar...
"a máquina de fazer espanhóis", de valter hugo mãe, vale muito a pena.
sobre a beleza e as misérias dos velhos, a amizade, sempre sem idade, o amor, a vida.


terça-feira, 21 de maio de 2013

A Saudade


"Percorri o corredor mais uma vez, já estavas quase no fim. Disse para mim que não te ia ver mais porque já estava demasiado custoso. Não sei se iria conseguir cumprir, provavelmente seria assaltada por auto recriminações que não perdoariam egoísmos naquela hora e me fariam arrastar-me até lá, até ao final.

Será que me ouviste, mesmo sem ter dito nada?
Decidiste (escolheste? foste tu que escolheste assim?) morrer minutos depois. Eu perdia-me numa conversa sobre o botão que não temos quando queremos morrer, e que falta faria no teu caso! Falava sobre o direito que deveriamos ter de o carregar quando achássemos que não havia mais dignidade para respirar. Partilhava com a enfermeira que querias que fosse eu a tratar de ti, quando fosses velhinha, espelhando a injustiça que me parece haver de não te ter sido dada essa oportunidade. A ti e a mim.

Antes daquele último adeus, dei-te um beijinho. As enfermeiras disfarçaram mal a ansiedade que tinham de desligar de vez o oxigénio, certificando-se de que, já com legitimidade, podiam ajudar a terminar com o que já não fazia sentido. Percebo.

Se escolheste realmente morrer comigo, só posso sentir-me feliz. Tive importância para ti, nunca o escondeste, sabia disso.
Cada dia que passa procuramos paz, encontrar-nos neste mundo já sem ti e, ainda assim, seguir em frente com a dor, com a ausência e a saudade que é tão grande. Às vezes não sentimos que realmente nos vamos recompor, mas fingimos que sim, porque temos mesmo que nos enganar, para não cair novamente, com o risco de não conseguirmos sair e já não acreditarmos que há pretexto.

Onde estarás?"

Escrito por: Estrunfina Pink, Maio de 2009
*Encontrei este texto, achei bonito, resolvi partilhar.

segunda-feira, 20 de maio de 2013

É que não quero - mesmo - saber das marcas caras...

O pai da Inês saiu do hospital como havia de sair alguém operado há pouco mais de 24 horas: algo combalido, com as forças a recuperar, contente por ter corrido tudo bem mas com o "pacote" de cuidados a ter nas próximas semanas às costas. O repouso é um dos items.
Estacionei o carro no centro comercial - tinha mesmo que lá ir - e disse "até já", e ele saiu comigo. "Então, não vamos ao Jumbo comprar as fraldas?". Há coisas pequeninas, pequeninas, que se revestem de uma importância estratosférica e que se só podem compreender quando estamos lá... a vivê-las.
E esta é a história da compra de um pacote de fraldas. O primeiro pacote de fraldas que os pais da Inês Mel compraram. 


Não é por acaso que comprei fraldas da marca Dodot. Acho que se pode resumir mais ou menos assim:

 - Opá, eu não quero saber de marcas, interessa-me é a qualidade e o preço. A gente quando compra as marcas conhecidas está a pagar o marketing todo e vais ver, é tudo a mesma treta, linha branca, linha não branca...
- É mesmo...
- Mas diz-me lá, usaste fraldas marca branca com o teu bebé? 
- Logo, logo, não... Comecei com as Dodot. São caras mas, realmente, são boas. E depois... não quis arriscar, as outras podiam fazer alergias e os bebés são tão sensíveis...
 - Hum... Mas as Dodot também podem fazer alergias, não? E são o dobro do preço das outras...
 - Pois... É capaz... (Silêncio. Mudamos de assunto)

As conversas do género repetem-se. Semanas. E meses.
Surge a promoção das fraldas Dodot. 

- Olha, as Dodot estão mais baratas, temos que aproveitar!
 - Dodot? Mas ficam mais baratas que as marcas brancas?
 - Hum, não sei. Mas não queria arriscar antes de ver como a menina vai ser, pode ser muito sensível e não se dar bem com as outras...

FIM








quinta-feira, 16 de maio de 2013

Caixa prioritária para recalcados



Prioridade a grávidas (menina de perfil com barriga proeminente). Por vezes, esta grávida também tem como companhia o idoso (velhinho encurvado com bengala), pessoa com deficiência (senhor em cadeira de rodas), e o adulto com criança ao colo (senhora com pequeno ao colo). 
Estamos em sintonia, certo?
Quem não viu já este sinal?

Pois, toda a gente já viu. Tem bonequitos e tudo, que ajudam a dissipar eventuais dúvidas que possam persistir em cabecinhas menos maduras,  esclarecer os que não sabem ler e, julgo eu, elucidar as crianças. 

Pelo menos uma vez na vida, já apeteceu a alguém ter motivos para estar incluído naquela fila. Quando se gera este sentimento, o adulto normal (sem requisitos) contraria como pode. E depois há os outros, a que chamarei, sem problemas, porque quem me lê não se irá rever nesta postura, de: RECALCADOS.

Estes recalcados são pessoas que não compreendem e/ou não aceitam que haja uma caixa ex-clu-si-va, pró-pria, des-ti-na-da-pa-ra... mulheres que estão grávidas, para pessoas que tenham alguma deficiência, idosos e adultos que tenham a seu cargo crianças de colo no acto da compra. 

Perguntar-me-ão algumas cabeças recalcadas: 
Ah, mas o que é isso de ser idoso? A partir de que idade se é idoso? É para idosos de bengala, ou de andarilho também vale? Tem que se ter o cabelinho grisalho ou os pintados também estão na corrida? 
Ah, mas o que é isso de ter crianças de colo a seu cargo? Se a criança já andar e quiser estar ao colo por pura birra também conta, ou já não?
Ah mas o que isso da pessoa com deficiência? Se tiver problemas mentais mas andar medicada e parecer uma pessoa equilibrada, também conta, ou é só para deficiências físicas? E se a deficiência não for visível pelos outros, como é?
Ah mas o que é isso de estar grávida? Uma mulher com duas semanas de gravidez já vem para aqui armada? E se a barriga for grande, mas for só banha, ela pode enganar toda a gente, ou não?

Algumas cabeças recalcadas ainda vão mais longe, palavra:
Ah, mas há velhos que têm mais saúde do que eu, que ando aqui com as minhas cruzes, ui, ui...
Ah, mas há pessoas que trazem os filhos para as filas só para passar à frente e tanto os adultos como as crianças têm belas perninhas para aguentar!
Ah mas há deficientes que estão na cadeirinha de rodas muito bem instalados, eu não tenho onde me sentar!
Ah mas há grávidas que quase nem têm barriga, que peso extra é que elas têm? E vêm acompanhadas do marido, ou lá quem é aquele, por que raio merecem tratamento especial?

Há ainda uma coisa que acho que faz muita confusão a este tipo de cabeças: o ter boa cara, bom ar, ter o atrevimento de sorrir!

Ora bem, chegou a minha vez.
Caras cabeças recalcadas:

Este sinal de prioridade é vago, contudo, indica claramente que se destina a quatro grupos-alvo: grávidas, idosos, adultos com crianças de colo e pessoas com deficiência. 
Não constando, na grande maioria das vezes, informação adicional, temos que partir do pressuposto que nas caixas onde o sinal se encontra podem estar as grávidas, no início, no  meio, ou no fim da gestação! No Continente vão um bocadinho mais longe e esclarecem que aquela caixa é para grávidas com "gravidez visível", ou seja, a barriga deve ter que ser proeminente (o que me pode causar alguns problemas mas...). No Ikea chegam a pedir o boletim de grávida. Muito bem, onde há regras extra, há que tentar cumprir. Nos outros sítios nada mais pedem, portanto, nada mais se exige à grávida que não seja colocar-se na fila e aguardar pela vez!

Chamo ainda a atenção para o seguinte: Não diz nestas placas (nunca vi, mas já estou por tudo!!!) que a grávida só tem prioridade se não estiver acompanhada, ou se tiver uma barriga que sim senhora, upa, upa, devem ser gémeos, ou que só pode passar à frente se estiver com cara triste, cansada ou visivelmente doente! Não sei se estou a fazer-me entender! Não diz lá nada disso e a grávida não está a cometer um crime se se colocar nesta fila prioritária mesmo que tenha uma vida feliz e não tenha tido ameaças de aborto, cólicas intensas, os pés inchados ou enjoos!

E, com as devidas adaptações, a lógica aplica-se aos outros grupos prioritários.
Agora podíamos discutir dentro destes grupos quem é que tem mais "dores", podíamos sim senhora. Mas não levava a lado nenhum porque, simplesmente, aqui impera o bom-senso, o tal que é normal em qualquer situação da vida, em qualquer fila de supermercado, farmácia, instituição, entre outras.

Também se pode pôr em discussão, iniciar uma petição - why not? -  para o seguinte tema: Porque é que não há uma caixa prioritária para gente recalcada, de mau humor, invejosa, insensível, com mau feitio e apressada? Ficavam ali todos num cantinho, fofinhos... 

... E deixavam as grávidas sem pés inchados descansadas, os idosos com boa pinta descansados, os deficientes com os problemas escondidos sem remorsos de não poderem mostrar nada ao público e as mães e pais com filhos cansativos sentir que nem tudo é sempre mau. 





quarta-feira, 15 de maio de 2013

Decorar o quarto da Mel II

 

Na Zara Home for Kids - http://www.zarahome.com/webapp/wcs/stores/servlet/home/zarahomept/pt/zarahomekidspt - há sempre coisas que enfim... E estas almofadas estão-me cá a psicar o olho, todas juntas então, era o paraíso! :) Mas ok, tendo que comprar uma, aqui e agora, e só uma... Quero a de Paris, já em jeito de promessa de viagem :)

Decorar o quarto da Mel I


Hoje deu-me para aqui. Preparar o quarto da Inês Mel é algo que quero fazer, mesmo que não faça grandes "produções", porque não pode ser, o espaço vai ganhar um ambiente especial.
Neste caso não é muito difícil porque estava quase vazio. Com o tempo foi servindo para arrumar (despejar, esconder?!!?) coisas de tudo e de todos, de escritório, de acolhimento às visitas...

Agora, vai ter que continuar a ter as funções antigas e ainda a principal: ser o cantinho de uma bebé, que há-de ser menina e... Para já chega pensar nos primeiros 5 ou 10 anos vá!

Na Verbaudet - http://www.vertbaudet.pt/ -  encontrei algumas peças de decoração/arrumação de que gostei muito, em especial o saco para a roupa suja em forma de máquina de lavar!



terça-feira, 14 de maio de 2013

Ementa da grávida - Saúde&Bem-Estar



Neste momento é assim. A bem da saúde da grávida, por entre cremes hidratantes e medicamentos insdispensáveis...a "ementa" é esta! 

O segundo trimestre trouxe algumas novidades!

No que diz respeito aos hidratantes, por exemplo, mantive o Barral para a barriga e ancas (continuo a achar que não custa nada espalhá-lo e que o efeito é duradouro), mas deixei de usar este creme para a zona do peito e costas, porque verifiquei que não era adequado para estas zonas. Assim, utilizo o Nivea Hidratante Express para o resto do corpo e para o peito, concretamente, para aplicação nos mamilos, vou experimentar o Cicamel, creme reparador cutâneo, a conselho da ginecologista obstetra. Para hidratação desta zona tão sensível e fulcral para quem quer dar de mamar, várias amigas me sugeriram marcas que resultaram na perfeição. São exemplos disso, o Purelan e o Gretalvite, opções que, eventualmente, vou experimentar a seguir, caso o Cicamel não se revele eficaz ou algum deles seja semelhante e mais barato. 

Na medicação, juntou-se o ácido fólico com o ferro num só: boa, assim é mais prático e não gosto de começar a manhã a beber de frasquinhos com líquido escuro :) Além disso, comecei a tomar magnésio, para prevenir as caimbras que já se iam fazendo sentir e também as contracções (barriga dura) e/ou dores musculares. 
Em relação ao Neomag Plus tenho a dizer que estou indignada! :) Comprei este medicamento numa farmácia que estava à mão (está aberta 24 horas e é central), mas desconfiada que estava a ser "roubada" e que devia esperar que a farmácia lá do bairro estivesse aberta, até porque nada era urgente. Mas lá comprei o dito cujo por 18€. "Dezoito euros?São mil comprimidos, não? Está tudo louco!!!", brinquei no acto da compra (a brincar, a brincar...). Hoje voltei à farmácia do bairro e, pois bem, a mesma caixa custava menos 3 (três!!1) euros. Isto num medicamento para 30 dias, é dose! Entendi a lição! Perfeitamente, aliás!

A seguir, apresento a minha ementa do momento, com os valores pagos, salvaguardando que podem muito bem variar consoante a farmácia e ou cartões de desconto que cada pessoa tiver, como é obvio!

Ementa saúde & bem-estar da Grávida:

Creme Nivea:  6€ (aproximadamente)
Creme Gordo Barral, com Amêndoas Doces: 14,07€
Cicamel 50 ml (creme reparador cutâneo, para ao peito): 9,05€
Neomag Plus (magnésio, com vitaminas B6): 18,60€
Tardyferon-fol (ácido fólico+ferro): 0,66€

Total: 48,38€

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Caracóis e Morangos - Os mitos

Caracóis?
Morangos??

TU NÃO DEVIAS COMER ESSAS COISAS!!!

Mas que raio! Fiz mal a alguém, por acaso?, penso para comigo. E a seguir verbalizo e preparo-me para a "luta".
Do lado de lá, as argumentações: As grávidas não podem comer caracóis, não sabias? (e pronto!). As grávidas não devem comer morangos porque são hiper alergénicos. Eu não era alérgica antes da gravidez, mas durante...

A gravidez deve ser uma das fases da vida de uma mulher em que os mitos mais colam. Há mil mitos, que se eternizam, com as devidas adaptações aos tempos, claro. Vai daí, tenho as minhas defesas. Ajo com cautela. Porquê? Quem te disse? Aconteceu contigo? Comprovaste? Leste na Internet? Ou simplesmente, pergunto à medica que me assiste, se é verdade e qual é a sua opinião. E, normalmente, fico satisfeita e não penso mais no assunto.  

Foi o que aconteceu na última consulta:

 - Doutora, em relação à alimentação, posso comer caracóis?
 - Caracóis? Pode! É fervido e tudo.
 - Ufa! Ainda bem, que já comi duas travessas!
 - E morangos?
 - Morangos pode, desde que os lave muito bem, claro. (Olha com mais atenção para a minha ficha...). Você é imune à toxoplasmose e tudo! Não se preocupe.
- Pois, foi o que eu pensei. Eu bem digo isso às minha amigas mas elas não querem saber! :P

Queridas amigas, obrigada pela preocupação e pelos conselhos. A sério.
Mas eu posso comer caracóis :)  E morangos :)

De qualquer das formas, longe de mim incentivar à loucura alimentar durante a gravidez! Apesar de poder comer de tudo, tenho também eu uma série de preocupações e cuidados extra, nomeadamente, com a higiene das coisas, a origem, os prazos de validade, entre outras.
Deixo aqui um link - http://hmsportugal.wordpress.com/2012/04/23/alimentacao-saudavel-durante-a-gravidez-v3/ - com uma lista de conselhos que me pareceu muito completa. Depois, cada uma, seguirá o seu instinto e respectivas necessidades! 


O Verão é qualquer coisa...


Depois da gastrite demorei alguns dias até recuperar o apetite. Acho que nunca mais foi a mesma loucura do AC (Antes Gastrite) mas, ainda assim, recuperou a vitalidade!!!
O Verão é altamente inspirador para o meu espírito de chef e as saladas são dos pratos preferidos nesta época. Desta vez, saiu-me esta, depois de ir ao Continente:

Salada Anita Barriguda

Mistura de alfaces a gosto (a minha tinha alface verde, rúcula selvagem e red pak choi, uma novidade cá por casa da qual fiquei fã)
Fatias de paio
Meloa
Uvas
Milho doce de lata
Queijo selecção Continente (comprei uma metade e parti em casa)

Tempero: azeite virgem extra e vinagre balsâmico ou maionese




Os outros petiscos? Bem, são bem conhecidos. Este fim-de-semana tive o privilégio de comer exactamente aquilo que me apetecia e...

E estou feliz, pronto! Adoro caracóis (ai, ai, bebi um copo de sangria branca!!!), adoro pastéis de nata de Belém, adoro passear em Belém, o sol e a excelente companhia :)

Portanto... :)

quinta-feira, 9 de maio de 2013

O enxoval da Inês Mel


O enxoval da Inês Mel tem adubo. E dos bons.
A Inês é uma sortuda por ter os pais que tem.
Os pais da Inês são sortudos pela família e amigos que têm.
Obrigada a todos pelo carinho que nos têm dado e por estas boas-vindas tão generosas. E queridas! :)

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Anita Barriguda


Entao, já se nota? pergunta quem não está perto. Então, e já se nota? pergunta quem está perto, já com a mão lá em cima, para confirmar pessoalmente que ainda não (se já se notasse, não precisavam pôr lá a mão!). Então, e onde está a barriga? perguntam outros, às vezes, para serem mauzinhos, outras vezes, sem pensar que estão a lidar com uma mulher com as hormonas ao pulos! É quase como colocar a virilidade de um homem em causa, vá! 

 Atenção: esta é a única altura na vida de uma mulher em que ter barriga faz sorrir! Em que se empina a barriga com orgulho! E mais... em que se tiram fototografias a esta parte do corpo COM ZOOM! Por isso, os que pertencem ao último grupo, vejam bem o que andam praí a perguntar... E depois, penitenciem-se! :)

Estou com as 21 semanas a acabar, ou seja, mesmo a entrar nos 6 meses de gestação, e posso dizer que a dita cuja começou a crescer a sério há coisa de duas semanas. Estou uma Anita Barriguuuudaaaa! :)

Às vezes, até assusta! Parece que se alimenta às escondidas! Ou que suspende ali o crescimento uns dias  para depois me pregar sustos, quando estou desprevenida. A pele, por vezes, parece ficar repuxada. Digo: epá, isto não consegue esticar mais!? E, pelo sim, pelo não, reforço a dose bi-diária (como isto já vai! como isto já vai!) de creme gordo. 

E... confesso, acho que há momentos que já sinto saudades desta barriga redondinha, de onde saem pontapés doces e tanta esperança no futuro. Coisas de grávida. 


terça-feira, 7 de maio de 2013

O Fábio é o príncipe da Segurança Social

Saio de casa com a lembrança da história da Mena (escrevi sobre ela aqui: http://anitalikecoentros.blogspot.pt/), que vi na última vez na Segurança Social. Evitei lá ir mas tanto tentei facilitar a minha vida e fazer tudo como deve ser (sempre o mesmo erro!) que acabei por ter que entregar pessoalmente uma carrada de papéis. 
Tudo continua igual, respira-se ainda um ar de enterro anunciado ou o luto de quem já o fez. Não sei mesmo se alguns não vão morrendo por ali. Desta vez  não me apanham como da primeira, pensei: tenho aqui um bebé na barriga que me alivia a tensão e, além disso, trouxe o valter hugo mãe na mala, meus caros! 

Penso isto e olho para o lado e vejo uma mãe com um ovinho, tapado com a fraldinha branca. Tinha a máscara que todas as mulheres põem quando estão à espera, mas não lhe ouvi a voz de protesto. Pensei: não há atendimento prioritário aqui? Se não há para ela, também não há para mim, bem mas eu tenho o valter hugo mãe na mala e um bebé ainda na barriga. E mesmo que o meu bebé tenha fome, trouxe a banana, mais uma arma que vou utilizar para aliviar o stress, caso a espera seja longa. Não quero pôr a máscara igual à daquela senhora. Até porque eu tenho um livro.

Ao meu lado senta-se a Marília. Já foi a casa estender a roupa, preparar as bifanas de fricassé para o almoço, que o filho tem sempre pressa, arrumou a sapatada espalhada pelo chão no dia anterior e passou no Lidl para ver de a graxa preta já tinha chegado. Pergunta-me se está a ver bem o número no ecrán. A senha A está no 49, não está? Está sim, respondo. Ainda não andou nada desde que fui a casa! Faço um ar de "xiiiii, a sério?" e puxo o assunto "então e aquela mãe que ali está desde que cheguei? Não a atendem primeiro do que os outros?". 


Chega a minha vez e avio-me. Calhou-me uma simpática e, por isso, converso. Converso e queixo-me, embalada pelas dicas que a funcionária me vai dando acerca da falibilidade "dos serviços" que se aconchegam neste "país que, infelizmente, ...". Chegamos à conclusão que "isto anda que não se pode" mas, o mais importante, que daqui a um mês pode ser que tenha resposta quanto à atribuição do subsídio.  Como coloquei uma pergunta ao lado, tenho que tirar nova senha com a colega. "Peça a senha O, como está grávida, tem atendimento prioritário...". Assim faço, assim me sento, assim tiro o livro, assim estou a ouvir e a ver os outros, assim estou deliciada com o meu livro.

O Fábio - terá um ano e meio, dois? - decide dançar ao som do toque de um telemóvel e ganha os sorrisos da plateia mais próxima. À excepção do segurança, assumidamente da família extensa do "todos me devem e ninguém me paga!". Talvez aquela frescura tenha lembrado a alguns que por ali esperavam que há mais vida para além dos funerais, os que teremos que fazer, os que já foram feitos e o nosso. Será que o Fábio conseguiu isso com alguém? Apeteceu-me lavantar-me da cadeira, pedir a atenção de todos e perguntar. Depois, mandava bater palmas ao menino que conseguiu a proeza de suspender os cinzentos de cada um, por uns breves minutos. 

Desisto de esperar pela minha vez naquela fila especial dos prioritários. Não queria colocar a máscara igual à daquela senhora. Ninguém chamava ninguém naquela fila! E eu tinha uma bebé na barriga, o valter na mala e a banana, mas não queria ver a hora do almoço chegar no meio de tantas máscaras. Nem com fome e calor. Fui-me embora. Logo resolvo o que não é prioritário. Adeus Fábio, Adeus Marília, sejam felizes.

De regresso a casa, o caminho torna-se solidário e, sem exigências, deixa-me continuar embrenhada nos meus pensamentos. Que triste está o meu país, onde se respira um ar fúnebre numa instituição onde deveria haver esperança. Que triste é perceber que os competentes e zelosos não estão a sair vencedores. Instalou-se a certeza de que nada funciona, não estamos a saber cuidar de nós, dos vizinhos, dos outros. Ali, impera o espírito do tudo é lento, o profissionalismo foi comprar cigarros e não voltou e olhe, eu por acaso escapo-me mas não me dê muita importância, sim?
Está triste o meu país. 

O que me vale é a minha bebé que cresce na barriga e o meu livro do valter hugo mãe.

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Não pode ser Jesus Cristo, poças

O nome a dar ao bebé é um dos assuntos que vem à baila desde logo. E digo nome do bebé, porque a tendência é pensar no bebé e não tanto na criança, na adolescente, na adulta... Oh my God, ela vai ser adulta um dia!
Quantas vezes dizemos: Emília para uma bebé? Acho pesado! Augusto? Pode ser o nome do avô, mas desculpa lá, coitadinho de bebé! Bem, comentários destes e outros piores fazemos quase sem dar conta! A verdade é que também não faz sentido pensar num nome só para quando a nova pessoa que aí vem ainda nos cabe por inteiro no colo:) Mas cá em casa, acho que seguimos esta linha de pensamento!

Eu sempre gostei de nomes pequenos. No entanto, tinha uma combinação favorita para o caso de um dia ter uma menina, e que já vinha de há muitos, muitos anos... Ana Catarina. Por acaso é o primeiro nome da mãe e o segundo o da avó materna... Mas tenho na minha cabeça que é mesmo por acaso. Será? :)

Contudo, o pai tem muito a dizer e, embora não desgostasse do nome que tinha guardado no baú... Foi sugerindo outros! Foi assim que chegámos a  Mel.  "Não gosto de mel, nem tu! Só a temperar carnes ou com queijo de cabra!!!". Ok, começava a saga das associações, ou a pessoas que não gostamos, ou a outras que já morreram, ou a comidas ou a... É inevitável. Ainda assim, Mel pareceu-nos sempre um nome doce, e pequeno, e diferente... 

Fase seguinte: perceber se Mel podia, efectivamente, ser o primeiro nome de um menina filha de dois pais portugueses! E não pode :) 

O Instituto dos Registos e do Notariado - http://www.irn.mj.pt/IRN/sections/inicio - disponibiliza uma lista online com os nomes permitidos em Portugal e... pasme-se! Eu pasmei!

Aarão, Abna, Adriana do Mar, Basilissa, Boanerges, Carmério, Cherna, Clife, Cosete, Dagmar, Deus (precedido da partícula de), Dhruva, Eric e Erik (os dois masculinos), Fani, Habacuc, Hadassa, Iag (masculino), Idrisse, Ingo, Jó, Kévim, Luamar, Maria Maria, Mia....

MEL? Mel é permitido no masculino. No feminino não!!! Blasfémia! Informei-me então junto de um funcionário de um registo: Mel poderá ser colocado como segundo nome, em alguém do sexo feminino! 
Ridículo não? Depois de ler a lista dos nomes permitidos em Portugal, chegar a esta conclusão é qualquer coisa... Bem, fica então: Inês Mel :) Dois nomes pequeninos e doces!

Só  mais um coisinha curiosa: Camões e Jesus Cristo não são permitidos! Aguentem-se! :P